Total de visitas: 18121
47 - As Igrejas mencionadas pelo Apóstolo Paulo
47 - As Igrejas mencionadas pelo Apóstolo Paulo

47 - As Igrejas mencionadas pelo Apóstolo Paulo

A Bíblia traz o relato da existência de algumas igrejas, que não são denominadas. No entanto, as igrejas que mais se aproximam, biblicamente, das igrejas apostólicas, são as igrejas evangélicas

O apóstolo Paulo preocupou-se em doutrinar sete igrejas, por meio de cartas enviadas às mesmas, levando em conta, alguns temas, causadores de determinados problemas relacionados com o corpo de membros das mesmas, os quais necessitavam ser corrigidos, bem como assuntos doutrinários. São eles:

- Santidade (santificação, nova criatura, separação do pecado)

- Carnalidade (devassidão, desejos desenfreados)

- Mundo (mundanismo, sistema)

- Falsos mestres

- Costumes (atitudes, maneiras)

- Novo nascimento, nova criatura

- Circuncisão, lei, graça,

- Idolatria, ídolos

- Ira, justiça etc.

Vejamos as igrejas que Paulo cita em suas epístolas as quais são definidas considerando a ordem crescente da existência de cada uma, historicamente:

1 - Igreja de Gálatas: cerca de 49 d.C

Tema principal da carta dirigida aos membros de Gálatas: salvação pela graça mediante a fé, a lei “versus” a graça

Paulo escreveu esta epístola “às igrejas da Galácia”. Os gálatas eram gauleses oriundos do Norte da Galácia e após emigração parte de seu território, hoje, pertence à França.

Paulo tomou conhecimento de que certos mestres judaicos estavam inquietando os novos convertidos na Galácia, impondo-lhes a circuncisão e o jugo da lei mosaica como condição necessária à salvação e ao ingresso à igreja.

O assunto principal de gálatas implica em dupla pergunta: a fé em Jesus Cristo, como Senhor e Salvador é o requisito único para a salvação em Cristo? Ou é necessário obedecer a certas práticas e leis judaicas do Antigo Testamento? 

Sempre abaixo das explicações sobre as igrejas colocaremos versículos que demonstram os vários temas abordados. Aos gálatas, entre outras coisas, Paulo disse:

“Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: A prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: O amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito” (Gálatas 5.19-25).

2 - Igreja dos Tessalonicenses: cerca de 51 d.C

Tema: atitudes carnais, a volta de Cristo, etc.

Tessalônica, situada a pouco menos de 160 km a sudoeste de Filipos, era a capital, cidade principal e porto da província romana, da Macedônia. Essa igreja também foi fundada por Paulo em uma de suas viagens missionária. Seu frutífero ministério ali foi encerrado prematuramente devido à intensa hostilidade judaica (Atos 17.1-9), porém, a própria igreja fez evangelização, o que muito alegrou a Paulo.

Por ter sido Paulo forçado pela perseguição de Tessalônica, os novos convertidos receberam apenas um mínimo de ensino sobre a vida cristã. Ao saber Paulo, por meio de Timóteo, das reais circunstâncias, escreveu esta epístola para expressar sua alegria pela fé e perseverança dos tessalonicenses em meio à perseguição e às adversidades.

A volta de Jesus é um assunto abordado mais pelos evangélicos e também aguardado, por estes, com convicção, porém, todos quantos residem em algum país com um mínimo de desenvolvimento já ouviram falar da Segunda Vinda de Cristo. Inclusive Paulo Coelho faz menção desse evento, em As Valkírias, quando Cris relembra momentos do passado: “Naquela época não falavam em um novo tempo – falavam da volta de Cristo...” (p. 144).

“... o Senhor vos faça crescer e abundar em amor uns para com os outros e para com todos, como também nós abundamos para convosco; para vos confirmar os corações, de sorte que sejam irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos”   (I Tessalonicenses 3.12,13).

“E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (I Tessalonicenses 5.23).

Fala a respeito da perseguição sofrida por parte dos judeus:

“Pois vós, irmãos, vos haveis feito imitadores das igrejas de Deus em Cristo Jesus que estão na Judeia; porque também padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que elas padeceram dos judeus; os quais mataram ao Senhor Jesus, bem como aos profetas, e a nós nos perseguiram, e não agradam a Deus, e são contrários a todos os homens, e nos impedem de falar aos gentios para que sejam salvos; de modo que enchem sempre a medida de seus pecados; mas a ira caiu sobre eles afinal” (I Tessalonicenses 2.14-16).

Também trata a respeito de crentes que não andavam segundo a Palavra de Deus:

“Ora, o Senhor encaminhe os vossos corações no amor de Deus e na constância de Cristo. Mandamos-vos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que anda desordenadamente, e não segundo a tradição (bíblica)que de nós recebestes. Porque vós mesmos sabeis como deveis imitar-nos, pois que não nos portamos desordenadamente entre vós... Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente... Vós, porém, irmãos, não vos canseis de fazer o bem.

Mas, se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, notai-o e não tenhais relações com ele, para que se envergonhe; todavia não o considereis como inimigo, mas admoestai-o como irmão” (II Tessalonicenses 3.5-15).

“Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: Que vos abstenhais da prostituição... ...não (vivam) na paixão da concupiscência, como os gentios (pagãos) que não conhecem a Deus... Porque Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação. Portanto, quem rejeita isso não rejeita ao (ensino de) homem, mas sim a Deus, que vos dá o seu Espírito Santo” (I Tessalonicenses 4.3-8).

3 - A Igreja de Corinto: cerca de 55/56 d.C

Tema: divisão na igreja e amizade com os mundanos

Essa igreja era muito abençoada, espiritualmente, pois, segundo o apóstolo Paulo, esses membros em tudo eram enriquecidos em Cristo, na Palavra, em conhecimento da mesma, nem um dom lhes faltava, e ele desejou que eles continuassem assim, irrepreensíveis.

Porém, Paulo chega a um momento em que os dirigentes da igreja se achavam divididos. Alguns membros passaram a considerar mais certos ministros do evangelho do que o próprio evangelho, quando diziam: “Eu sou de Paulo, eu sou de Apolo, eu sou e eu sou de Cefas”. O apóstolo Paulo condenou essa atitude e interroga a eles: “Está Cristo dividido? Foi Paulo crucificado por vós? (I Coríntios 1.13)”. Paulo os faz lembrar que nem ele, nem qualquer outro homem, foram crucificados por amor a eles, portanto, não merecem nenhum pendor.

Paulo visava tratar dos sérios problemas da igreja de Corinto, eram pecados que os membros não levavam muito a sério. Pecados estes que uma igreja experimenta quando seus membros continuam carnais:

“E eu, irmãos não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a criancinhas em Cristo” (I Coríntios 3.1).

Quando não se separa de amizade íntima com os mundanos, os incrédulos:

“Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso” (II Coríntios 6.17,18).

Aos membros da igreja de coríntios escreveu Paulo:

“Mas agora vos escrevo que não vos comuniqueis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com esse tal nem sequer comais. Pois, que me importa julgar os que estão de fora? Não julgais vós os que estão de dentro? Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai esse iníquo do meio de vós” (I Coríntios 5.11-13).

“Tirai esse iníquo do meio de vós”. A igreja evangélica, quando toma conhecimento e tem convicção da vida desregrada de seu membro, costuma “discipliná-lo”, retirando-o do rol de membros. O mesmo só retorna quando demonstra arrependimento sincero e mudança de atitude.

“Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos (dia a dia) de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus” (II Coríntios 7.1).

4 - A Igreja de Roma: cerca de 57 d.C

Tema: carnalidade e auto exaltação dos líderes, bem como a revelação da justiça de Deus

De modo contrario à tradição católica romana, afirma a Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD), a igreja de Roma não foi fundada por Pedro, nem por qualquer outro apóstolo. Ela talvez foi iniciada por convertidos de Paulo provenientes da Macedônia e da Ásia.

Considerando que a igreja católica afirma que a mesma está fundamentada em Pedro, ou seja, na liderança de Pedro à frente dessa igreja em Roma, transcreverei o que o blog shalom-israel-shalom, nos esclarece, com o qual nós evangélico concordamos:

NÃO HÁ QUALQUER REGISTRO BÍBLICO DE QUE PEDRO TENHA ESTADO EM ROMA.Percorrendo todo o Novo Testamento, nunca encontraremos qualquer alusão a Pedro ter estado ou até de pensar estar em Roma. O apóstolo Paulo, esse sim, esteve em Roma nos últimos anos da sua vida, sabendo-se por certo que ali foi preso e degolado.

Nas suas cartas escritas de Roma, Paulo menciona irmãos e irmãs, companheiros de ministério e até de prisão, mas nunca menciona Pedro (Colossenses 4.7-14; 2 Timóteo 4.9-12, 21). Quando Paulo escreve aos cristãos romanos, menciona o nome de mais de 28 crentes, mas nunca o nome de Pedro (Romanos 16).

O grande “historiador” da História inicial da Igreja cristã, o evangelista Lucas, certamente amigo de Pedro, menciona a presença deste em várias localidades, como Jerusalém (Atos 8.1), Samaria (Atos 8.25), Lida (Atos 9.32), Cesareia (Atos 10.1), Jope (Atos 10.5), Antioquia (Gálatas 2.11), e outros, mas nunca em Roma. Se como os católicos romanos afirmam, Pedro tivesse sido bispo em Roma durante 25 anos, como seria possível Lucas jamais mencionar isso na História da Igreja, para não falar do apóstolo Paulo nas suas cartas”? Conclui o texto do referido blog.

Paulo tinha como objetivo principal, corrigir, por meio de carta, certos problemas da igreja causados por atitudes erradas dos judeus para com os gentios e vice versa, o tema central de sua mensagem é ensinar que no Senhor Jesus está a justiça de Deus revelada como a solução contra o pecado. Paulo declara que uma vida transformada em Cristo resulta na prática de uma vida reta.

A liderança da igreja que estava em Roma, tornou-se orgulhosa, com isso os líderes tornaram-se imorais e coniventes com a imoralidade, buscando honra para si mesmos e exaltando a si mesmos mais do que o criador.

A impureza sexual dominava boa parte, inclusive a prática de homossexualidade, tanto entre os homens como entre as mulheres. Olha só como estavam alguns falsos membros da igreja:

“Dizendo-se sábios, tornaram-se estultos(sem discernimento), e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis(idolatria). Por isso Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para serem os seus corpos desonrados entre si; pois trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura antes que ao Criador, que é bendito eternamente. Amém.

Pelo que Deus os entregou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão (homem com homem), cometendo torpeza(infâmia, baixeza) e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro” (Romanos 1.22-27).

Deus exigia que eles se arrependessem, caso contrário, seriam largados por Deus e seriam controlados por suas mentes pervertidas, nesse caso é o controle total da cegueira espiritual que, quando domina não dá oportunidade do dominado enxergar a verdade, o resultado é uma permanência constante no erro e sua cegueira até justifica esse erro, daí não haverá libertação e morre no pecado. Paulo manifesta as más atitudes desses líderes e lhes escreve, também, quanto à idolatria, que existiu ou que poderia vir a existir nessas igrejas:

“... confias que és guia dos cegos, luz dos que estão em trevas (mas, és), instruidor dos néscios (abobados, que não se questionam), mestre de crianças (que nada discernem)... ...tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Tu, que dizes que não se deve cometer adultério, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, (também) roubas os templos? Assim pois, por vossa causa, o nome de Deus é blasfemado...” (Romanos 2.19-24).

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo (sem sensualidade ou nudez), santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis a este mundo (não se adapte, não compactue com seus conceitos, com o sistema), mas transformai-vos pela renovação da vossa mente (aprendendo algo novo com a Palavra de Deus), para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.1,2).

“Andemos honestamente, como de dia: Não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias (falta de pudor, prostituição) e dissoluções (deterioração dos costumes, devassidão, imoralidade), não em contendas e inveja” (Romanos 13.13).

5 - Igreja dos Efésios: cerca de 62 d.C.

Tema: Cristo e sua igreja

Essa igreja referida pelo apóstolo Paulo é citada também pelo apóstolo João no Apocalipse, já não é exatamente a mesma, considerando o ano de citação, mas é provável que alguns idosos ainda fizessem parte dela.

A mensagem de Paulo a essa igreja não foi elaborada com base em controvérsia doutrinária, como muitas outras epístolas de Paulo às demais igrejas, ou por problemas pastorais. Consiste mais de instruções práticas para a igreja no tocante aos requisitos necessários para a redenção por meio de Cristo em nossa vida pessoal, sobre como os transformados pelo evangelho devem viver, de como os crentes são chamados a uma nova vida de pureza e separação do mundanismo:

“...nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor...” (Efésios 1.4).

“Ele vos vivificou, estando vós mortos (espiritualmente) nos vossos delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais.

Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou (da morte do pecado) juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus, para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus” (Efésios 2.1-7).

“Mas vós não aprendestes assim a Cristo, se é que o ouvistes, e nele fostes instruídos, conforme é a verdade em Jesus, a despojar-vos, quanto ao procedimento anterior, do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano...” (Efésios 4.20-22).

6 - Igreja dos Colossenses: cerca de 62 d.C. 

Tema: vida passada “versus” vida convertida

A cidade de colossos estava localizada perto de Laodiceia (Cl 4.16), no sudoeste da Ásia Menor, cerca de 160 km a leste de Éfeso. A igreja dos colossenses, tudo indica, foi fundada como resultado do grandioso ministério de Paulo em Éfeso, durante três anos (Atos 20.31), cujos efeitos foram tão poderosos e de tão grande alcance que “todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus” (Atos 19.10). Falou o apóstolo a esses irmãos:

“A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis...” (Colossenses 1.21,22).

Exterminai, pois, as vossas inclinações carnais; a prostituição, a impureza, a paixão, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria...” (Colossenses 3.5).

Nessa igreja começou a surgir ensinos falsos ameaçando o futuro espiritual da mesma, os quais preocuparam o apóstolo Paulo:

“Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo...” (Colossenses 2.8).

7 - Igreja dos Filipenses, da cidade de Filipos: cerca de 62/63 d.C.

Tema: cuidado em manter a santidade

A igreja de Filipos foi fundada por Paulo e sua equipe de cooperadores (Silas, Timóteo, Lucas), na sua segunda viagem missionária. Um forte elo de amizade desenvolveu-se entre Paulo e essa igreja, várias vezes os membros enviaram ajuda financeira a Paulo (II Coríntios 11.9;Filipenses 4.15,16) e contribuiu generosamente com a coleta que o apóstolo providenciou para os crentes pobres de Jerusalém.

Paulo agradece a igreja pela sua oferta generosa e, entre outras considerações, a essa igreja disse:

“... que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo, retendo a palavra da vida; para que no dia de Cristo eu tenha motivo de gloriar-me de que não foi em vão que corri nem em vão que trabalhei” (Filipenses 2.15,16).

Um dos pequenos problemas que havia nessa igreja era o desânimo dos crentes ali por causa da prisão prolongada de Paulo:

“E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram têm antes contribuído para o progresso do evangelho...

Somente portai-vos, dum modo digno do evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos veja, quer esteja ausente, ouça acerca de vós que permaneceis firmes num só espírito, combatendo juntamente com uma só alma pela fé do evangelho; e que em nada estais atemorizados pelos adversários, o que para eles é indício de perdição, mas para vós de salvação, e isso da parte de Deus; pois vos foi concedido, por amor de Cristo, não somente o crer nele, mas também o padecer por ele...” (Filipenses 1.12,27-29).

 

 

 

shalom-israel-shalom.blogspot.com

BÍBLIA de Estudo Pentecostal – AT e NT. Referências e Algumas Variantes. Trad. João F. de Almeida. São Paulo, CPAD/SBB, 1995.

BÍBLIA Sagrada (Eletrônica, AT e NT). Europa Multimídia. Programação: Leandro Calçada, Ilustração: Wilson Roberto Jr. Colaboração: Thélos Associação Cultural.

Vide tópico 56 - Referências Bibliográficas